Breaking

Digitalchord em uma entrevista inspiradora

Entrevista / 27/02/2014

Digitalchord mostra seu ponto de vista em diversos pontos, e acaba nos colocando para refletir.

Digitalchord… Cada vez mais eu admiro esse cara. Ele impressionou a todos da equipe na sua entrevista. Ele foi super tranquilo quando eu entrei em contato com ele por email. Nos respondeu e foi super atencioso com a gente. Na sua entrevista, Digitalchord fala sobre sua carreira, sobre a cena atual e é super humilde em trazer conselhos pra quem quer ser um DJ de sucesso.

Abaixo é Official Movie do Artista. Confira:

Confira conosco, “Digitalchord em uma entrevista inspiradora”:

1º O que influenciou a seguir a carreira de DJ/Produtor? Era seu sonho de criança? 

Fui criado em meio de música o tempo todo, nunca tive dúvidas de que a música iria fazer parte da minha vida para sempre.

E ser produtor começou quando eu escutava supertramp, eu ficava analisando cada instrumento e pensando em maneiras de colocar outros instrumentos dentro da música dos caras, muita viajem para uma criança.
Depois o processo de produção acabou vindo naturalmente quando eu frequentava alguns estúdios e me imaginava na frente de todos aqueles equipamentos colocando a minha mente para trabalhar e quem sabe fazendo algo diferente.

2° Quais foram às barreiras a serem vencidas pra você se tornar o cara que é hoje para a cena eletrônica brasileira?

Alguma dessas “barreiras” ainda não foram vencidas, eu ainda preciso melhorar muito para me tornar um bom produtor, e sinceramente essa é a maior delas.

É uma luta interna que acabo travando comigo mesmo e acredito não ter fim.
Não se pode cair e ficar, temos que levantar a todo momento.
Mas ouve outras barreiras com vários problemas pessoais e familiares e até mesmo dentro do nosso meio, acredito que isso seja inevitável.
Mas tudo é um eterno aprendizado que vamos sempre dar em algum lugar, para alguns é maldição para outros é sucesso.
Mas o que importa é sempre tirar proveito e recomeçar se necessário.

3º Se inspirou em alguém para seguir essa profissão? Tem algum ídolo dentro da e-music?

Sempre pensei em fazer um som pesado e dançante com alguma mensagem seja ela explícita ou subliminar. Esse sempre foi o meu foco. Gosto de bases simples e reta com algumas melodias.

O Digitalchord nasceu para ser simples e direto, as pessoas querem dançar se divertir, por isso pensei que poderíamos ter mensagens em português nas letras para que haja uma conscientização sem perder a ideia de diversão.
Mas gosto muito de: CHRIS LAKE, SULTAN, NED SHEPARD, HENRY FONG, SHOWTEK

4º Por que da máscara? Seria um símbolo? Digitalchord, de onde veio à ideia da mascara?

Vou responder essas três perguntas de uma só vez: (risos).

A mascara é como um espelho, reflete quem a pessoa é. As vezes dizem:  “Nossa Digitalchord, você é muito gente boa.”. Mas a pessoas está falando dela mesma, ela que é gente boa. E isso faz sentido, porque na verdade ela não me conhece. Como ela sabe se sou gente boa ou não?

A máscara consegue tirar sentimentos das pessoas que as vezes nós não conseguimos e é isso que eu quero.
Geralmente a mascara reflete o que a pessoa está sentindo no momento, por isso tenho sorte, já que a grande maioria das vezes estamos na balada para se divertir.
Por outro lado mostra como as pessoas são boas de verdade, longe das cascas que adquirimos ao longo da vida.
Justamente por isso uso a Jack (apelido da mascara) (risos).

5º Todos nós sabemos que você é contra qualquer votação que eleja um DJ como o melhor (Dj Mag e House Mag) . Você acha que as pessoas estão se preocupando com coisas fúteis como essa deixando o que mais interessa de lado, que é a própria musica? 

Que fique bem claro que não tenho nada contra quem participa, acho até engraçado porque sabemos quem vai ganhar.

Não adianta se iludir, ganha quem tem mais dinheiro para colocar na jogada.
Por outro lado vejo algumas pessoas pedindo voto mas ainda não fez o dever de casa está colocando o carro na frente dos bois.
Acredito que se for algo natural que as pessoas votem em você sem você pedir assim deve ser muito gratificante, você está lá porque o seu público quis que você estive e não porque você pediu.
Votar por camaradagem não significa que você é bom, é apenas um cara que ficou pedindo votos para outras pessoas, e te pergunto o que isso significa?

No final nada, porque o que importa é passar uma mensagem, fazer música e tocar.

Tem algumas pessoas que estão mais preocupadas em aparecer e se achar o foda do que com o trabalho dentro da música.

E essas pessoas estão perdendo espaço porque o público hoje é inteligente eles sabem quem é de verdade.

Digitalchord

6° Nas suas próprias palavras “musica é arte e não competição”. Os brasileiros estão meios cegos e visando mais a cena gringa e deixando a cena Brasileira (que por sinal é muito boa) de lado? 

Você já viu competição de quem pinta o melhor quadro?
Ou de quem bate a melhor foto?
Ou ainda quem escreve o melhor livro?
Essas coisas não têm competição e nem poderia porque não existe critérios para avaliar.
Uma música que me toca pode não tocar você.
Uma banda ou um produtor que eu acho o máximo, você pode achar ruim.
Outra questão é competições para tocar em festa.
Geralmente ganha o que tem mais amigo ou o que é o mais chato que fica pedindo votos.
O mais talentoso não tem tempo de fazer spam ele está concentrado em melhorar por tanto quase nunca vence o mais talentoso.
E e o DJ que ganha para tocar geralmente vai abrir a festa e na grande maioria não vai ganhar nada. Quem ganha com isso? Só raciocinar e você vai saber quem ganha com isso.

7º O que você acha que poderia ajudar a melhorar nossa cena?

Acho que a cena está indo muito bem mas claro é preciso melhorar.

Acho que ao invés de cada produtor ou cada dj erguer a sua bandeira, deveríamos todos juntos erguer apenas uma única bandeira.
Muitas pessoas falando mau da carreira alheia, saiba que estamos todos no mesmo barco em águas truculentas.
Precisamos nos ajudar.

Antes de me criticar, saiba de uma coisa: eu nunca toco para outros DJ’s atras de mim no palco, eu sempre toco para o público a minha frente. Não faço música difícil para análise de outros produtores, faço a música que vou me sentir bem fazendo. Esse deveria ser o pensamento. E o falso moralismo que só impende da nossa profissão crescer. DJ não pode isso não pode aquilo. Faça a sua vontade a arte não tem limite. Por tanto o maior problema é a falta de união. Basta o DJ da uma subida na carreira para ele ser outra pessoa.
Ele não tem culpa de ser mau caráter, pelo menos disfarça (risos).

8º O que mais te chateia/decepciona e o que mais te agrada na EDM?

O que mais me chateia na cena sem dúvida é o “politicamente correto”. DJ não pode subir em cima da mesa é errado, DJ não pode tocar determinada faixa é chacota. Eu acho esse blá bá blá, muito chato.Devemos respeitar a decisão de cada DJ tocar o que quiser de fazer o que quiser em seu show desde que aquilo não desrespeite outras pessoas.

E o que mais me agrada é ver que nós da nova geração de música eletrônica estamos vindo com tudo, muitos produtores bons surgindo muita gente talentosa aparecendo tenho certeza que o futuro vai ser promissor. :D

9º Por onde você tem passado? Mais club ou mais rave?

Antigamente eu tocava mais em rave, mas hoje está bem balanceado, na medida que o trabalho vai sendo desenvolvido e as pessoas vão se identificando o público vai crescendo e é natural que o club também seja uma opção.

10º Você já passou alguma dificuldade por usar a mascara ou já esqueceu a mascara?

Sim, já passei…

Fiquei preso no Aeroporto uma vez, na época dos protestos respondendo várias perguntas o porquê da mascara, mas levei uma super sorte que um dos agentes conhecia o projeto, acabamos virando amigos.. foi engraçado.

11º Você tem vontade de revelar a sua identidade? Falaram que o Digitalchord é uma mulher, você confirma isso ? 

Não nem um pouco de forma alguma, porque esse projeto não é meu é de todo mundo que faz parte que acredita em uma mudança, que acredita na atitude que o simbolismo do projeto representa.

O que tenho vontade as vezes e acho que por vaidade ou ego é contar para os meus amigos todos, mas como sempre tem muita gente envolvida em todo o processo, fica complicado.

A questão de ser uma mulher eu não confirmo mas também não nego, na verdade vocês iriam se surpreender muito (risos).

12º Um momento engraçado e um momento de perrengue?

Um momento engraçado foi em uma festa em Curitiba que tocamos todos juntos: E-cologyk, Ftampa, Darth vader, Dirtyloud, Alex Mind. Estávamos em uma mesa tomando muita cerveja e todo mundo feliz e rindo muito quando olho para o Ecologyk, ele estava com uma cara de louco.

Eu disse:

– “Tome uma cerveja cara…”

– “Não eu não bebo”, disse ele tirando do bolso uma bombinha de asma e dando uma baforada.

– “Fale alguma coisa.”

– “Eu não tenho nada para falar.”
(risos)

Esse dia foi muito engraçado de verdade.

Acho que a questão do perrengue é ponto de vista, porque quando queremos estar tocando em todos os lugares, se algo acontece errado eu penso, nossa alguns anos atras eu daria tudo para estar aqui onde estou, por tanto não vou reclamar.

Certa vez toquei na Clash em São Paulo em uma sexta feira, pegamos o voo no outro dia para Curitiba as 10 da matina, chequei por lá e fui para uma entrevista a noite bebi um pouco e toquei das 3 as 4 da matina, sai correndo e fui para o aeroporto, peguei o voo das 6 e cheguei em São Paulo as 7 sai correndo e peguei o vôo rumo a Ribeirão preto as 8.

Cheguei por volta de 9 horas da manhã em Ribeirão, de lá eu partiria de carro para São José do Rio Preto eu tocava na Alien Trip, fiquei cerca de duas horas esperando e nada de alguém aparecer, até que consegui falar com o contratante.

“Cara estou aqui em Ribeirão esperando alguém”, ele me disse: “Sério Digitalchord?! Esqueci completamente. Pegue um táxi e venha.”

Peguei o Táxi e fui para Rio Preto.

Cheguei e fui direto tocar, um calor de 50 graus no mínimo, toquei e a apresentação fui maravilhosa, foi muito gratificante.

Mas ainda não acabou, esperei o Victor Ruiz e o Redupret terminar de tocar e fomos juntos para o Aeroporto pois o Vitão tocaria ainda a noite em SP e eu também.

E deu tudo certo.

Alguns DJs acham isso perrengue, eu acho diversão, erros acontecem e devemos tirar proveito, se não eu teria escolhido trabalhar em um escritório.

13º Digitalchord, você poderia enviar uma mensagem para quem está começando ou quem quer fazer disso o seu ganha-pão.?

Claro.

Lá vai: Não desanime obstáculos vão surgir mas nunca deixe de acreditar, estude muito e faça por merecer o seu lugar, porque se é de direito seu ninguém pode te tirar de lá. Seja humilde você só tem a ganhar. Muito boa sorte.


Tags:, ,








Post anterior

Sebastian Ingrosso fala sobre Swedish House Mafia

Próximo Post

Tomorrowland 2014: Ingressos esgotam em menos de 1 hora





Também recomendamos


Mais Histórias

Sebastian Ingrosso fala sobre Swedish House Mafia

Swedish House Mafia: Ingrosso faz revelação "assustadora" Desde quando o Swedish House Mafia anunciou a separação em agosto...

26/02/2014